Reeditando o filme carros – uma pequena cidade (igreja)

Há uma pequena cidade ao lado da rota principal dos carros.

Na rodovia principal todos querem espaço, um ocupar o espaço do outro, ultrapassar em pontos não permitidos, parece uma competição e não um meio (rodovia) pra se chegar a um outro lugar. Eles disputam espaço, velocidade e tempo… disputam o que não lhes cabe disputar, competem por uma vitória que não podem fazer por si só.

Algumas vezes, não podemos mensurar o “tamanho” dessas “algumas vezes”… pessoas precisam reduzir o ritmo na rodovia principal e entrar nesta pequena cidade. Elas dão se conta como é bela e como há um jeito diferente e bom de se viver.

Alguns param ali apenas para reabastecerem o tanque de combustível,

outros são forçados por problemas no carro, ou pneus furados.

Ainda há casos mais graves onde motores fundem, casos “quase” que perdidos… mas até estes casos encontraram solução ali.

Ah!!! Também há casos que carros “exuberantes” entram pelas portas da pequena cidade, belas latarias, belas pinturas, cristalinas… mas não abrem as portas e não mostram os estofados… estão podres, sujos…

Esta cidade não tem muitas propagandas, nem outdoors, nem publicidades. Se bobear, nem nos mapas e listas telefônicas podem encontrá-la.

CONTUDO, o discurso de quem entra ali é o mesmo: eu sempre voltarei aqui. Ah, também são típicas pessoas do interior que moram ali, recebem a todos muito bem. São calorosos nos abraços, nas risadas e nos sorrisos. Quem não gosta de ter um pouco de carinho com dozes de açucar de bom humor, de ser querido e aceito ?

A pequena cidade tem vistas incríveis, montanhas com visões de, ouso dizer, todo o mundo. É como se, ali, viajássemos por todo o mundo sem sair de lá. O choro que ouvimos a noite, transformam-se em alegria pela manhã… e mesmos nas noites tristes ouvimos canções, diria eu louvores entoados ao som de várias vozes, várias pessoas, que se reúnem e vão a frente; levantam-se e vão a frente… vão cantar… engrandecem e agradecem ao Deus que elas dizem que lhes têm proporcionado tudo isso.

Quero terminar minha reportagem dizendo que esta cidade me lembra de casa. Lembro de minha vó me falando de um homem que iria para sua terra construir casas porque todos que cressesm nEle poderiam ir morar lá. Ela me contava assim sobre Jesus e até hoje não me esqueci. Sei que aqui não é o céu, sei que tem homens maus e que alguns/muitos ainda não “se ajustaram” tanto assim… mas o que meus olhos viram fazem meu coração arder e me lembro do homem que andou sobre essa terra que minha vó me falava. Lembro que Ele está em um alto trono e será que não é Ele que nos está contando esta história ? Que está sussurrando em meu ouvido que há uma cidade, há um lugar assim que eu ainda não quis parar e ir lá ver ?

Volto para a Rodovia. Na certeza que voltarei sempre aqui neste lugar, agradecer e engrandecer a Deus junto com eles.

Nota:

Pensei no filme carros, a rodovia principal e aquele pequena cidade, aconchegante, com carros de todo o tipo, mas um bom lugar pra ir não querer sair mais.

Pensei na Igreja Betel, um lugar que Deus me levou para que pudesse ouvi-Lo, e crendo nEle, em Jesus, entender esse lugar maravilhoso que Ele tem preparado e colocado desde já me nossa volta as “fagulhas”. A Igreja E. Livre Betel faz 29 anos no último domingo de maio/2012 e essa é uma forma de dizer “Meus Parabéns”.

A pequena cidade do texto que escrevi… é uma “pequena” igreja. Talvez a sua, talvez a minha, com certeza a nossa.

Se as igrejas cristãs são portas para o céu, o “hall” de entrada, alguns maiores outros menores, devem comportar pessoas com o principal objetivo de levá-las ao ambiente interior Eterno (Céus). se ALGUNS HALLS cabem mais e outros menos, é um detalhe físico e humano. A igreja (edifício) é uma estrutura humana que (pode) se tornar porta para os céus (um lugar não físico para humanos) e o verdadeiro hall da entrada, a ante sala dos Céus (o lugar que moraremos com Jesus), esse hall verdadeiro independe do tamando da sua igreja local.

Anúncios

Jam: Lições para TODA VIDA I – Desânimo

Era um lugar diferente.
Jam sabia que passar por aquele lugar o faria aprender lições valiosas para TODA A VIDA.

Chegou. Logo a sua frente havia um portal, sabe aqueles enormes castelos antigos? Era assim.
Bem no alto estava escrito “Seja bem vindo na casa dos 12 Hebreus”

Ah, esqueci de explicar o que o levou até ali. A sua caminhada já não era tão nova assim.
Já fazia algum tempo que caminha no Caminho, da Verdade e da Vida.
Muitas coisas já havia vivido. Mas estava em um momento novo, difícil…
ouvia muitos dizer que estava “complicado” ´prosseguir.
E ele havia chegado até este lugar citado acima.
Não sabia como e nem porque, mas desconfiava que era Deus.

Então o Jovem Jam entrou. Logo viu uma pequena placa dizendo:
– Aqui você aprenderá LIÇÕES PARA TODA A VIDA.
SIGA AS INSTRUÇÕES, PASSE OS OBSTÁCULOS, ENFRENTE NESTE LUGAR, RESUMIDAMENTE,
O QUE VAI SER MUITO MAIS DIFÍCIL DURANTE A VIDA.

Continua caminhando até que surge em sua frente, uma grande pista como a utilizada no atletismo.
Uma voz diz “Você está rodeado por muitas testemunhas… a sua vida está sendo vista de pé” e continua ” livre-se de tudo que te prende, que te impede prosseguir, caminhar, solte-se… livre-se do pecado, enganos e ilusões”

ENTÃO A VOZ GRITA – corraaaa… corraaa agora. vá !!!! COM PERSEVERANÇA.
Jam, agitado e sem entender, começa a correr… com muita força sobre a pista.
sem olhar pra trás, sem titubear… sem pensar muito. Não para pra tentar entender muito, corre e pensa, corre e olha pra frente…

” Precisamos correr a corrida que nos é proposta, tendo os olhos fitos em Jesus, autor e consumador da nossa fé. ” (vs 1,2)
Até que não conseguia mais… mas por não ouvir a voz, parou, ainda desconfiado. Muito ofegante, sentou-se. Jam percebeu que o chão tinha se transformado em um jardim. cheio de mato, grama e havia arvores em sua volta.

Ele ainda estava muito cansado quando um homem bem velho passou do seu lado, calmamente e lhe perguntou:
– Você está cansado ? Jam respondeu que sim.
– Mas por que ? eu corri nessa estrada aí atrás que parece uma pista de atletismo. (falou levemente irritado)
– Ah, a estrada da vida ? É, todos tem que passar por ela. Mas você já está cansado ? Você ainda é jovem.
Muitos já passaram por aqui. Vi pessoas que aos 80 anos ainda lutavam pelas suas terras. Outros deixaram seu próprio sangue defendendo seu povo e honrando seu Deus. Não abandonavam suas casas, suas famílias e seus povos.

Mas há um jovem em especial que em sua vida você encontra exemplo capaz de dar força e ânimo para qualquer um.
Meu pai me disse que Deus há muito tempo veio até a terra, e que Ele suportou tamanha oposição dos pecadores contra si mesmo… cumprindo o propósito de sua vida, para salvar toda a humanidade. Até hoje, se olharmos para a vida deste homem e tudo que suportou para viver e cumprir seu propósito… o cansaço e o desânimo não podem nos vencer!

Ele, tinha alegria em si para viver tudo o que precisava… inspirava a todos… e Ele foi até o fim. Venceu.
Você também pode passar por essa desânimo e cansaço.

Jam perguntou… quem era este homem ?
– o senhor respondeu. Seu nome é Jesus.

Agora levante-se. Porque Ele quer te encorajar a prosseguir. Olhe pra Ele. Ele está contigo.
Ele te ama. TE aceita e perdoa se você se culpa por algo.
E se Ele não puder te ajudar… ninguém poderia. Mas Jesus pode.
As suas lágrimas e o seu sangue pela sua vida não foram em vão.
Acredite. Ele é poderoso para mudar sua história. Ele pode te ajudar.
Não prossiga sozinho. Peça ajuda dEle. e Vá… caminhe… corra… prossiga.

Nota:
O Jam é um personagem criado para as histórias que escrevo no blog, chamo-as de contos.
O Jam representa você, eu e todos que lerem essas histórias.
Ele ilustra nós mesmos e nos inclui dentro da história.

A história ilustra uma etapa de nossas vidas, vamos encontrar, não tem jeito, mas quando você se deparar com o desânimo ou cansaço… aprenda e utilize essa lição.

Jam Lições para TODA A VIDA tem como base Hebreus 12 que explica o nome do local descrito no início do texto – A casa dos 12 Hebreus.

Os versos utilizados até aqui foram:
” Portanto, também nós, uma vez que estamos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas, livremo-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos envolve, e corramos com perseverança a corrida que nos é proposta,

tendo os olhos fitos em Jesus, autor e consumador da nossa fé. Ele, pela alegria que lhe fora proposta, suportou a cruz, desprezando a vergonha, e assentou-se à direita do trono de Deus.

Pensem bem naquele que suportou tal oposição dos pecadores contra si mesmo, para que vocês não se cansem nem se desanimem.” (Verso 1 ao 3)

Jam precisa se render.

BARULHOS DE EXPLOSÕES. A casa treme. Sirenes de ambulâncias e som de vários carros de polícia chegando.
– “você está cercado”.

Jam, se levanta de sua cama, assustado, sem saber ao certo o que está acontecendo. Ele vai até a janela para ver o que é.
Todos estão olhando para sua casa, em direção a sua janela. Logo que aparece, ele ouve o policial, provavelmente, o negociador falar novamente:
– Você está cercado Jam. Renda-se.
– Mas o que eu fiz, senhor. (Jam grita pela janela)

Ao mesmo tempo, ele se esconde. Percebe que existe armas a laser miradas a seu corpo. O clima de tensão aumenta.
Jam ouve gritos dentro de sua casa, corre para ver, e percebe que sua mãe e irmãos estão amarrados.
– Nos solte Jam. Pare de fazer isso com a gente.
– Mas mãe, o que foi que eu fiz?
– Pare de se enganar meu filho, você nos amarrou e nos mantém refém de suas decisões.

Lá fora, o policial grita novamente:
– RENDA-SE JAM. VOCÊ ESTÁ CERCADO. ENTREGUE-SE DE UMA VEZ.

Jam, volta correndo até a janela. Está mais nervoso. Irritado.
– Vocês estão loucos. Que loucura é essa. Parem de me enganar. Eu não fiz nada.
– Sim você fez Jam. Você tem sido egoísta e orgulhoso. As rédeas de sua vida está em suas mãos. Assim, tem buscado saciar seus desejos. Conscientemente e inconscientemente, você tem buscado sensações prazerosas que logo escoam e vão embora, deixando em você uma sede insaciável. Não se engane, veja como tem vivido. (responde o policial no megafone)

Jam, começa a pensar, começa a ficar menos irritado, mas ao mesmo tempo está se entristecendo…
– Mas por que tudo isso? Não precisava policiais. E quem prendeu minha mãe e meus irmãos ?
– Isso não pode ser real.
– Não Jam, é real sim. Isso é o caos que está a sua vida. Ela está tão bagunçada quanto tudo isso.

DE REPENTE, UMA GRANDE EXPLOSÃO… GRITOS.
– Mãeeeeee. (grita Jam)

– Jam, JAM !!! Me escute. Você perdeu o controle de sua vida. Você não consegue dizer não as coisas que você sabe que vão te fazer mal.
– Jam, quando a todo custo você decide viver apenas sua vontade, todos em sua volta sofrem. você torna-os reféns – sua mãe, irmãos, amigos e pessoas que vê você como exemplo. Eles estão prestes a perderem parte de sua vida embaixo dos escombros de sua ruína. você ainda tem uma chance. SE RENDA.

Na mente de Jam começa a passar a voz do policial dizendo; RENDA-SE, RENDA-SE JAM. É A ÚNICA CHANCE DE UMA NOVA VIDA. Jam começa a ver em sua mente, sua mãe, irmãos, amigos e pessoas que o respeitam e admiram, a gritarem para ele se render – “RENDA-SE JAM, RENDA-SE. Precisamos de você, nós te amamos”.

O policial interrompe mais uma vez e grita:
– Jam, algumas vezes você tentou colocar suas decisões diante do nosso Deus Pai. Muitas vezes você me procurou e pediu em meu Nome. Então, você começou a viver algumas coisas segunda a vontade de Deus. Mas logo em seguida, ali dentro do que Deus te deu, você buscava satisfazer novamente sua vontade e seus prazeres e, isso o distancia da minha voz e a voz de nosso Deus Pai.

RENDA-SE JAM NOVAMENTE JAM. ESSA É A ÚNICA CHANCE.

Um GRANDE BARULHO… JAM GRITA BEM ALTO:
– DEUSSSSSSSS, ME AJUDAAAAA !!!!

A porta abre. Jam percebe que estava dormindo. Sua cama está no chão quebrada. E Jam está sobre o que restou dela.
Até parece engraçado, pois tudo era um sonho, mas não era bem isso.

Ainda na cama, Jam começa a pensar em tudo e começa a chorar. Sua mãe está perto dele. Ele entende tudo que aconteceu.
– Foi tão real mãe. (diz Jam)
– Filho, você estava pulando, se debatendo na cama. Fiquei muito assustada quando ouvi os barulhos até que tudo caiu no chão.

Jam então se ajoelha, começa pedir perdão a Deus. Jam entende que o policial em seu sonho era Jesus. Ele entende que toda a confusão era a sua vida, ela estava daquele jeito. Ele percebe que estava a ponto de tudo desabar e que só sairia vivo, só teria uma nova chance se ele se rendesse a Jesus. Era isso que ele estava fazendo ajoelhando em prantos, pedindo perdão e ajuda de Jesus.

Nota:
O Jam é um personagem criado para as histórias que escrevo no blog, chamo-as de contos. O Jam representa você, eu e todos que lerem essas histórias. Ele ilustra nós mesmos e nos inclui dentro da história. Se seu nome estivesse aí nessa história, seria muito diferente da realidade que você vive ? Eu acordei com uns versos sobre rendição… fui quebrantado por Deus. Talvez você também precise fazer isso. Mesmo achando que a sua vida não está assim tão bagunçado. RENDA-SE A JESUS.

“Aproximem-se de Deus, e ele se aproximará de vocês! Pecadores, limpem as mãos, e vocês, que têm a mente dividida, purifiquem o coração. Entristeçam-se, lamentem e chorem. Troquem o riso por lamento e a alegria por tristeza. Humilhem-se diante do Senhor, e ele os exaltará.” (Tiago 4:8-10)

Três músicas que te ajudarão a pensar sobre isso:
Reina sobre mim (Nivea Soares)
Tua glória a brilhar (Fernandinho e Nivea Soares)
Eu quero amar (Fernandinho – peça teatral Surpresa do Ministério de Teatro Jeova Nissi)

História de Jam: Anseio por família

(passos rápidos no corredor)
toc, toc, toc
– Vó, cheguei !
– Jam, é você? já estou indo meu netinho.
– Tá bom.

– Que prazer em vê-lo. Quanto tempo você não vem visitar a vó.
– É que estou estudando muito e o meu material escolar (notebook) está dando muitos problemas.
– É menino, desde que substituíram os cadernos e livros por notebooks a educação têm se transformado.
– Meu netinho jam, diga-me, que dia é hoje ?
– Ai vó, você não sabe ? Hoje é dia 4 de Abril de 2040.
– Parece que foi ontem que estávamos vivendo alguns belos momentos no ano de 2010.
– Vó, pare de me enrolar, eu vim aqui para ouvir aquelas belas histórias que me conta toda semana a tarde.
– Ah sim jam, lógico que te conto mais sobre quando eu era mais jovem.
– Hoje vou lhe contar de algo muito especial que raramente se vê no tempo em que nós vivemos.

Há muito tempo atrás, por volta de 1990, ainda podia se ver isso com mais facilidade. Toda menina, logo pequena, criava em sua mente imagens maravilhosas, eram escritoras mirins, e imaginavam… imaginavam…
Toda menina já crescia tecendo em suas idéias como seria quando encontra-se um namorado e, com ele, pudesse casar.
Isso foi perdendo espaço entre as pessoas. Depois do ano 2000, após uma avalanche exploradora de exibição do corpo feminino com músicas denominadas na época como axé, surgiu outros tipos de músicas (funks) e comportamentos mais exibicionais tomaram conta da sociedade daquela época. Começou a ser comum falarem em divórcios… (o jovem interrompe a sua vó)
– mas vó, o que é um divórcio ? Desde do momento que comecei a entender o mundo, vejo meu pais se relacionando com muitas pessoas diferentes, e os pais de meus amigos também são assim, isso é normal ?
– Não, jam. Isso tornou-se comum na sociedade em que vivemos, mas a vida de um casal era maravilhosa. Deixe-me te contar um pouco sobre isto.

Naquele tempo, era maravilhoso conhecer um rapaz e ver que seria possível formar uma família com ele. Então ambos namoravam, noivavam e se preparavam para o grande dia. Eu ainda pude ter um apoio de amigos que andavam juntos com a gente na igreja local, eles nos aconselhavam, oravam com a gente e foram os nossos padrinhos e amigos em todo o tempo até os dias de hoje.

Os casamentos eram grandes eventos que celebravam a alegria humana, cumprindo uma vontade agradável a Deus. Eu pude participar e ver belos casais. Eventos deste tipo que aconteceram em casas, chácaras que mais pareciam filmes que tinha visto no cinema e momentos especias deste gênero em igrejas.

Vi uma prima se casar e quando ela foi entrar na igreja, ela entrou cantando até chegar ao noivo na frente da igreja que começou a cantar junto com ela.

Um outro amigo, era o noivo da noite, estava na frente da igreja esperando sua noiva entrar e, quando ela aparece na porta, ele começa a bater palmas eufóricamente, surpreendendo a todos, inclusive a noiva que se emociona e, toda a igreja começa a aplaudir juntos. Foi incrível.

Isso não acontece mais nos dias de hoje. Os jovens crescem sabendo que os mais velhos podem ter filhos e ser solteiros. O governo brasileiro e dos maiores países do mundo já os reconhecem como família desta forma. Difícilmente vemos uma família formada por pai, mãe e filhos. Isso é um caos jam, é muito triste.

(neste momento a vó se emociona e começa a chorar)

– Vó, que história incrível. A senhora poderia me ajudar a encontrar uma noiva?
– Jam, eu desejo que você seja um ponto de luz em tamanha escuridão que impera dentro de nossa sociedade. Conte essas histórias aos seus colegas e se quiser, traga-os aqui que eu conto pra eles.
– Vó, você não me respondeu. Você me ajuda ?
– Jam, eu não quis te forçar a isso. E, só porque você me viu chorar, não precisa fazer isso por mim.
– Vó, cresci vendo meus pais distantes, não entendia muito bem, mas sentia-me triste. Apenas uma vez, visitei um amigo, e pude ver ele, seu irmãozinho com seu pai e sua mãe. Foi sensacional. Enquanto eu ouvia a sua história me lembrava disso. Também me lembrei de versículos bíblicos que a gente ouve na igreja, apesar que lá as pessoas não têm falado muito nisso. Parece que tudo virou um senso comum para aceitar as pessoas como elas são esquecendo-se assim das palavras de Deus.

– Quero te mostrar uma coisa vó.
(o menino jam pega sua carteira e há um bilhete nela. Ele abre o bilhete)

– Está vendo este bilhete vó?
– Sim filho.
– Foi meu avô que me deu. Ele disse que este verso o fez prosseguir muito tempo de sua vida enquanto não encontrava a mulher com quem repartiria risadas e sonhos, brigas e perdões… que repartiria vida em família.
– E o que está escrito aí jam ?
– É um verso que diz: ” Termine primeiro o seu trabalho a céu aberto; deixe pronta a sua lavoura. Depois constitua família. ” (Provérbios 24:27). Ele me disse que foi um verso que Deus sussurrou ao seu ouvido quando estava muito abatido e se questionando sobre sua vida.
– Ele me pediu para guardar este verso e depois que tivesse a minha família que eu pudesse repassá-lo para meus filhos.

– Jam, conte comigo para o que você pediu. Além de orar por você, vou falar bem do meu netinho Jam para todas as meninas que ver aptas para viver ao seu lado.
– Combinado Vó. Esse é o nosso acordo.

(Eles deram um abraço bem forte e demorado. A vó deixou escapar mais uma lágrima que escorreu pelo seu rosto e pousou sobre a cabeça de jam.
As orações dela estavam sendo ouvidas, pois seu netinho estava crendo e vivendo uma vida diferente, capaz de ser dada apenas pelo Criador da Vida por intermédio de Jesus Cristo. E a vó ainda pode saber de algo que há muito tempo ela não ouvia falar sobre seu marido que está falecido. O verso que o fez prosseguir adiante até encontrá-la.)

Da mesma série de contos do Jam – veja a primeira história: A história de Jam

A história de Jam.

Oi pessoal,

Talvez vocês não me conheçam ainda, mas eu sou o jovem Jam e quero contar pra vocês um pouco da minha família.

Nasci em uma casa muito movimentada, tenho uma mãe que cuidou muito bem de mim e também tenho muitos irmãos.

Apenas meu pai não mora com a gente, na verdade, desde pequeno nunca o vi.

Desde pequeno, minha mãe me conta histórias sobre ele, em como fazia as coisas, do que gostava…
Várias vezes a via encher os olhos d’agua falando de como as suas palavras alegravam e consolavam o coração dela. Também comentava como ele gostava de ajudar as pessoas, sempre que batiam em sua porta ele atendia, não importava o momento ou a hora que isso acontecia.

As pessoas que nos visitam em casa também contam histórias do meu pai. Dizem como ele é especial, incrível, um super-pai… essa é a imagem que tenho dele.

Cresci com a ânsia de um dia poder encontrá-lo. Desde pequeno, busquei resquícios, pistas, para tentar encontrá-lo.

A cada história que ouvia,
A cada lágrimas que rolava ao me contarem como ele é bom
e quanto é grande o seu coração.
Em mim, sempre aumentava o desejo de poder vê-lo,
de poder ouvi-lo e dizer “pai, é o senhor ?”

Confesso que até caminhei em busca desse encontro.
já sonhei com esse momento diversas vezes,
Já o desenhei em vários lugares,
em tardes e noites
com uma alegria misturada com lágrimas de contentamento.

Há poucos anos atrás,
Descobri o que chamo de uma das maiores “pistas” e resquícios dele.
Entrei em um cômodo que não usamos muito em nossa casa.
Um lugar que a mamãe dizia que não gostava de entrar porque se lembrava do meu irmão mais velho.
Ele também morreu, e pelo o que todos diziam, era filho do meu pai. Digo, tão deslumbrante, prestativo e bom
quanto diziam do meu pai.

Ao entrar neste cômodo empoeirado e com vários móveis empilhados, encontrei em uma gaveta, muito bem guardado um livro.
Ou melhor, pensei que era um livro, mas possuia muitas páginas, e tinha mais aparência de um caderno de histórias, o que as meninas hoje chamam de diário.

Algo em meu coração mudou, por mais que não soubesse o que era, acreditava que poderia ser dele. Então, corri para o meu quarto e comecei a lê-lo. Diariamente, eu o lia, e a sensação era IMPRESSIONANTE !!!

Não conseguia passar um dia sem querer folheá-lo, sem ler suas histórias. Sentia um enorme desejo de conhecer mais de tudo que estava escrito ali. Apesar disso, não havia nenhuma evidência que meu pai tinha escrito o que estva ali.

As vezes, parecia que várias pessoas eram autoras, e em outros momentos, parecia que era a minha história que estava sendo contada.

Em várias dessas leituras me sentia como minha mãe dizia: alegria e olhos cheio de lágirmas. Imaginava meu pai dizendo aquelas palavras, me ensinando, me ajudando a viver, a consertar minhas “burradas”, a perdir perdão e aceitar a reconhecer meus erros.

Várias vezes… me lembrava do que falavam do meu irmão mais velho. Alguns dos capítulos que li também parecia que contavam a história dele.

Até que eu descobri. Depois de muito tempo minha mãe me contou. Em prantos, prostrada no chão, deparei-me com ela se humilhando e pedindo perdão porque havia abandonado tudo o que tinha vivido e aprendido com meu pai. Fiquei sem reação. E então ela me explicou.

– Filho.
– sim mãe, pode falar…
– Filho, por muito tempo deixei de lado a verdadeira vida que tive um dia ao lado de seu pai. Todas as noites, nos horários vagos durante o dia, eu o via escrevendo, e escrevendo… eu não entendia, mas um dia ele me disse – que ele teria muitos filhos e que os seus filhos precisariam aprender a viver, saber o quanto ele os ama e o quanto ele quer ajudar os seus…
– como assim?
– Isso mesmo… sabe esse livro que você encontrou ? São as palavras do seu pai. Que por vezes ele pediu para que pessoas que ele amava escrevesse suas histórias, ou momentos que ele pôde ajudar outros.
– O que seu pai quer te dizer é que ele te ama. E por isso deixou por escrito tudo o que você precisa. Ele ainda garantiu que sempre que precisasse ele estaria com você. Confesso que não entendi muito bem essa parte.
– Sei que o seu irmão mais velho concordava e acreditava nisso. Ele dizia coisas que só seu pai falava, como se ele tivesse estado com seu pai. Ele dizia que os outros irmãos dele, quando ele não estivesse mais conosco, poderiam conversar com o pai. E ele já não está aqui, certo ?

( o filho em lágrimas, parecia entender tudo, as coisas faziam sentido agora. As palavras que leu, as histórias que pareciam sua vida, a esperança de um dia ouvir seu pai falar… )

– (com a voz embargada) mas… e esse livro… ele terminou ? tem um nome ?
– Sim filho… ele terminou de escrever e este livro tem um nome. CHAMA-SE Biblia. Ele a chamava assim quando se referia a ela.

( as vezes penso que pra não nos acordar no meio da noite, a figura de Deus representa o pai que nos deixa um bilhete, uma carta, um recado, que nos escreve um livro inteiro… e no final diz – eu te amo! )

Explicação da história
– o pai da história é Deus.
– o filho mais velho é Jesus.
– o filho (que conversa a todo momento com a mãe) da história são todos que creem em Jesus, pois podem se aproximar do Pai-Deus, ouvi-lo e entender as suas palavras presente no livro-Biblia.

Agora leia de novo. Com este entendimento.

Que Deus te abençõe

Jam.